Pular para o conteúdo principal

SURAKARTA OU ROUNDABOUTS

Título: O jogo de Surakarta ou Raundabouts (rotatória)

Da mesma família das damas, apenas por dois diferenciais: na colocaçãodas peças no tabuleito e na captura das peças do adversário.

Natureza ou tipo: tabuleiro da família de jogos de Damas
Competência Requerida: Dedução, capacidade de análise e raciocínio lógico, memória, observação, antecipação, precisão e método lógicos e matemáticos, continuidade e perspicácia.
Clientela Alvo: criança, jovens e adultos na faixa etária entre 07 e 70 anos.

HISTÓRICO:

Originário da Ilha de Java, Surakarta ou Raundbouts (rotatória, em inglês), nome de uma das mais importantes cidades da Indonésia, as margens do rio Solo, este jogo de regras simples e original praticado por dois jogadores, cada um com doze peças de uma cor, digamos branca ou preta. Originalmente, o Surakarta era praticado com pedrinhas e conchas sobre tabuleiros desenhados na areia.
Na Inglaterra atual, entretanto, Surakarta recebe o nome de “Raundabouts” – rotatórias para trajeto de veículos nos quais os motoristas ingleses trafegam descuidadamente e entram e saem em qualquer um dos raios. As grades e curvas do “Surakarta” são aparentadas de desenhos encontrados em catedrais construídas na Europa Medieval, simbolizando os quatro elementos alquímicos (ar, água, fogo e terra), além da quintessência do centro.

São dois os participantes, cada um com doze peças de cores diferentes, digamos branca ou preta. O tabuleiro pode ser facilmente reproduzido num pedaço de cartolina e as peças, emprestadas de algum jogo de damas. Mas também servem botões, fichas ou outros materiais - originalmente, o surakarta era praticado com pedrinhas e conchas sobre tabuleiros desenhados na terra ou na areia.

A posição inicial é a que se vê na figura 1. Note que as peças são posicionadas nas interseções das linhas (pontos) e não no centro das quadrículas por elas formadas. Os adversários se alternam fazendo um lance por vez, que consiste em mover uma peça para um ponto imediatamente adjacente no sentido horizontal, vertical ou diagonal, para frente ou para trás. Não é permitido saltar unidades próprias ou adversárias. Também não se pode invadir um ponto já ocupado, exceto quando para se fazer uma captura, situação em que a peça atacada é removida definitivamente do tabuleiro.

Para capturar - e só nessa hipótese -, a peça atacante pode percorrer qualquer número de pontos vagos, mas apenas no sentido horizontal ou vertical. Mas ela deve passar obrigatoriamente pelo menos uma vez por um dos oito anéis localizados nos cantos do tabuleiro, terminando o movimento no ponto onde se encontra a peça a ser capturada. Vale passar por mais de um anel para fazer uma captura, mas, como nos movimentos normais, aqui também não se permitem saltos sobre peças. É importante notar, ainda, que as capturas não são compulsórias, como acontece nas damas, por exemplo.

O objetivo do jogo é eliminar todas as peças do oponente, e o primeiro a consegui-lo é o vencedor. Normalmente, disputam-se várias partidas numa quantidade par, para que ambos os jogadores tenham a saída um mesmo número de vezes. A cada partida, anota-se para seu vencedor tantos pontos quantas forem as peças que restaram sobre o tabuleiro. Ao fim da série de partidas, quem tiver o maior total será o derradeiro ganhador.
No final do jogo, se restar apenas uma peça para cada jogador, um deles poderá forçar o ganho, desde que as peças não estejam em grupos de anéis distintos (repare que há dois grupos, caracterizados por uma linha contínua, cada um com quatro anéis, um em cada canto do tabuleiro). Neste caso, haverá empate. Mas, num final em que há duas peças contra uma, o lado com superioridade sempre pode forçar a vitória, a menos que uma de suas unidades, ou ambas, esteja num dos cantos - o ponto estrategicamente mais fraco do tabuleiro.

Como exemplo de captura, imagine o tabuleiro com apenas três pedras, duas brancas, localizadas em B1 e E3, e uma preta, situada em E4 (figura 2). Se fosse a vez das pretas, a peça em E4 poderia subir, dar a volta pelo anel interno superior direito, prosseguir pela linha 5, passar pelo anel interno superior esquerdo, e descer pela coluna B, capturando a peça em B1. Não daria para fazer a captura através do anel inferior direito, pois o trajeto estaria obstruído pela peça em E3.

Postagens mais visitadas deste blog

Tsoro Yematatu - Um jogo do Zimbábue

Tsoro Yematatu
Pronuncia-se: TSOH-roh YEH-mah-TAH-too

OBJETIVO: Ser o último jogador a fazer uma linha com três peças suas.

NÚMERO DE JOGADORES: 02

MATERIAL:

- O tabuleiro do jogo
- 03 peças pretas
- 03 peças claras

REGRAS DO JOGO:

- Cada jogador pega 03 peças da mesma cor;
- Na sua vez, Cada jogador coloca uma peça sua no círculo do tabuleiro que ainda não foi ocupado;
- Quando todas as 06 peças (três de cada jogador) estiveram nos seus devidos lugares, move-se uma peça por vez, de um círculo a outro que esteja vazio, em linha reta.
- Cada jogador só pode ocupar um único circulo por uma de suas peças.
- Ganha quem primeiro alinha as suas três peças em linha reta, de acordo com as retas que ligam os círculos.


Bibliografia consultada:

Zaslavsky, C. (1998). Math games and activities from around the world. Chicago. Chicago Review Press.

TRILHA OU MOINHO

Trilha, também conhecido como Moinho, é um dos mais famosos dentre aqueles jogos em que se procura um alinhamento entre as peças, como o Gomoku, Jogo da Velha, Gnu, entre outros.

Diz-se que o tabuleiro da "Trilha" seria uma representação fenícia de seu império: o tabuleiro quadrado representando o mar, seu universo de conquistas; a casa central do tabuleiro, sendo Tiro, a capital fenícia; e as outras casas sendo as colônias fenícias, como Cádiz (Espanha) e Cartago (norte da África).

O objetivo neste jogo é buscar o alinhamento de 3 peças o que lhe dá o direito de capturar qualquer peça do adversário que não esteja em alinhamento. Ganha aquele jogador que tirar tantas peças do seu adversário tal que não haja mais possibilidades de alinhamento. Há, neste jogo 3 fases distintas. A primeira fase é o posicionamento das peças no tabuleiro, a segunda é a movimentação das peças para pontos adjacentes e a terceira fase, é a movimentação livre das peças, ou seja, não necessariamente pa…

QUEBRA-CABEÇAS DE METAL (PUZZLES EM METAL)

Extraido de www.matematica.no.sapo.pt estes puzzles, como são chamados os quebra-cabeças, fascinam pela quase impossibilidade de solução. Apresento o texto que extrair, na íntegra e sem a devida permissão de seus autores, do site mensionado e espero que se divirtam com tantas variedades de puzzles.


"Apresentação dos puzzles em metal "

Quem alguma vez teve que deslocar uma mesa de uma casa para outra ou ao longo de um corredor, sabe que o espaço tridimensional reserva algumas surpresas que quotidianamente passam despercebidas. Estas surpresas são bem conhecidas dos "viciados" na resolução/construção de puzzles de metal. Estes antigos ( e sempre atuais ) jogos artesanais consistem numa estrutura composta por duas ou mais peças de metal (fig. 1). Deste conjunto de peças entrelaçadas, o jogador deve separar uma delas - a peça problema - do resto do conjunto - a estrutura suporte - sem fazer deformações ou cortes.
A primeira impressão que temos quando confrontados com um pu…